Prato único

Yakissoba

xxx

As culinárias chinesa e japonesa parecem já tão profundamente integradas ao universo gastronômico ocidental, que o nome de cada prato tem um significado mais visual do que propriamente gráfico ou sonoro, conforme a língua daquelas culturas. Talvez um dos maiores exemplos desta integração seja o famoso Yakissoba. Mas o que significa Yakissoba? Você sabe? O Word que estou usando não sabe. Segundo a Wikipédia, Yakisoba (em japonês: 焼きそば), que com o mesmo efeito pode ser yakissoba, é um prato de origem chinesa, muito popular também na culinária japonesa, que significa literalmente macarrão de sobá frito. Bem, exatamente nesse ponto onde o nome diz o que ele é, é que está o “pulo do gato” (ou deveria ser do dragão?). Ou seja, fritar o macarrão faz uma grande diferença no sabor de um yaki-soba (percebeu a redundância?). Claro, também um pouquinho da milenar paciência oriental conta na hora de cortar e preparar todos os ingredientes. Mas esse esforço tem recompensa. No prato, com hashi ou com garfo, deixe uma colher por perto, pois vale qualquer coisa para não perder esse último sabor, que não é “rapinha”, mas dá caldo!

Ingredientes:

  • 500g de macarrão para yakissoba ou Macarrão Lamen-5mn (pacote vermelho)
  • 300g de filé de peito de frango
  • 300 de alcatra ou pernil suíno
  • 1/3 xícara (chá) de óleo de soja
  • ½ xícara (chá) de saquê
  • Um envelope de Hondashi
  • Um cubo de caldo de galinha
  • Duas colheres (sopa) de óleo de gergelim
  • Três cebolas (médias)
  • Couve-flor (pequena)
  • Duas cenouras (medias)
  • Brócolis (médio)
  • Um pimentão vermelho (médio)
  • Um pimentão amarelo (médio)
  • Seis folhas de acelga (grandes)
  • 200 ml de shoyu
  • Cinco colheres (sopa) farinha de trigo dissolvidas em 1litro de água

Lave e corte os vegetais; as cebolas e os pimentões em cubos, as cenouras em tiras, o brócolis e a couve-flor em pequenos buquês. Retire o meio duro de cada folha de acelga e rasgue-as em pedaços grandes.

Depois que o macarrão estiver cozido escorra a água e lave o macarrão sob a torneira para que ele não grude um no outro. Deixe escorrer e, a seguir, em uma frigideira untada com óleo de soja, frite pequenas porções do macarrão até que comecem a ficar levemente tostadas. Coloque em uma travessa e sirva com o molho de carnes e vegetais ou, se preferir, acrescente o macarrão diretamente na panela de molho.

Corte as carnes em tiras pequenas. Em uma panela funda (de preferência uma Wok) refogue as carnes no óleo, acrescente o saquê, hondashi, caldo de galinha e o óleo de gergelim. Prepare o molho do cozimento das verduras com a farinha dissolvida na água e o shoyu em uma jarra. Assim que a carne começar a fritar acrescente a cebola, dê uma refogada rápida e coloque as verduras, começando pela cenoura, alternando com um pouco do molho e deixando ferver entre uma e outra verdura, deixando a acelga por último. Deixe o molho ferver e engrossar antes de acrescentar a acelga. Assim que a acelga murchar, desligue o fogo e sirva com o macarrão tostado.

xxx

Bacalhau empanado com parmesão ralado

xxx

A Páscoa já passou embora ainda restem alguns vestígios de ovos de chocolate aqui e ali, dentro de potes assaltados, gavetas remexidas, armários destrancados ou nos supermercados devastados, não é mesmo?

Algumas comidas, em sua apresentação com estreita relação com o calendário festivo, têm suas raízes ligadas a eventos religiosos, culturais e sociais que constroem nossa civilização. E, por essa característica de pertencer a um tempo específico, seu consumo fica restrito à sua própria época. Podemos comer chocolate o ano todo, mas, ovos de chocolate… Ah, esses só na Páscoa. Pergunte a qualquer coelhinho de olhos vermelhos e pelo branquinho que ele dirá que estou certa!

Mas, mesmo a quaresma tendo terminado, os pescados e o santo bacalhau ( por não dependerem de algum molde industrial) podem e devem retornar ao nosso cardápio sem necessidade de nenhuma comemoração especial.

Essa receita que trago hoje para vocês foi resultado de uma provocação de Chico Anysio. Calma, muita calma nessa hora! Vou explicar. Como sabemos, Chico Anysio morreu no final de março e várias homenagens foram prestadas à sua memória, dentre elas uma reapresentação da última entrevista que deu, à repórter Patrícia Poeta. Já estava bem debilitado, mas, lembrando de um prato preferido, incorporou o Meinha e… “Hmmmmmmmm”!. Nossa, percebi que a expressão de “coisa deliciosa” que ele fez não tinha graça nenhuma. A coisa era séria. Pensei: “Azambuja, to contigo e não abro!”. Foi o bastante para que eu corresse atrás de receitas de bacalhau empanado no parmesão.

Testei essa receita semana passada e digo que ficou uma delícia mesmo! Chico tem razão! Como não tem dia certo nem errado para se comer bacalhau, continuo minha pesquisa. Se você tiver uma receita diferente pode me mandar que vou prepará-la com muito carinho. E o salário óóó…

Ingredientes:

  • 800 gr de lombo de bacalhau dessalgado cortado em 4 partes
  • 2 dentes de alho fatiados
  • 3 ramos de salsinha picados
  • Pimenta do reino a gosto
  • Suco de 2 limões siciliano
  • 2 ovos
  • Queijo parmesão ralado para empanar
  • Azeite para fritar
  • 8 batatas pequenas cozidas com a casca
  • Sal a gosto

Lave e escorra o bacalhau. Corte os pedaços ao meio no sentido do comprimento. Coloque-os em uma travessa e junte o alho, 2/3 da salsinha e pimenta do reino. Regue com o suco do limão. Deixe marinar por 24 horas. Separe as gemas das claras. Escorra os pedaços de bacalhau da marinada e empane-os no parmesão ralado e em seguida nas claras batidas. Cubra o fundo de uma frigideira com azeite e frite os pedaços de bacalhau. Coloque-os sobre papel toalha, para eliminar o excesso de óleo. Despeje as gemas batidas no mesmo azeite da fritura do bacalhau (com a chama do fogo desligada) e mexa até que comecem a coagular. Coloque o bacalhau sobre o molho de ovos e guarneça com as batatas temperadas com sal. Salpique a salsinha restante e sirva.

Berinjela da Nonna

vv

Engana-se quem acha que da região de Nápoles só vêm molho à campanha e pizza. A maresia do Tireno inspira esta região da Campania italiana a mais sabores e soluções do que possam sonhar a nossa vã napolitana ou o nosso “farofeiro” vinagrete. Exemplo disso é a cidadezinha da Provincia di Salerno chamada Santa Maria di Castellabate, onde a lasanha tem tudo, menos massa. Outra vez, por aqui, a versatilidade da berinjela. A deliciosa história dessa receita e da Nonna que cozinha delícias no restaurante do seu filho, em São Paulo, você encontra na revista Gula, na edição de aniversário 221.

Ingredientes:

  • 1 berinjela grande finamente fatiada
  • 200 gr de mussarela fatiada
  • 50 gr de parmesão ralado
  • 400 ml de molho de tomate
  • 2 ovos batidos com parmesão
  • farinha de trigo para empanar
  • óleo para fritar

Passe as fatias de berinjela na farinha de trigo e em seguida no ovo batido com o parmesão. Frite no óleo quente até que estejam douradas. Depois de fritas, coloque uma fatia de mussarela sobre cada berinjela e enrole fazendo rolinhos. Forre um refratário com um pouco do molho de tomate e polvilhe parmesão ralado. Posicione lado a lado cada rolinho de berinjela, regue o restante do molho de tomate, polvilhe o parmesão ralado e leve ao forno quente por alguns minutos até o queijo gratinar.

Batatas à moda russa

xx

Ingredientes:

  • 4 batatas médias
  • 4 salsichões
  • 3 tomates maduros (usei tomate italiano)
  • 1 cebola média
  • 1 lata de molho de tomate pronto
  • 1 lata de cerveja clara
  • 150 gr de mussarela fatiada
  • sal, azeite e pimenta do reino a gosto

Descasque as batatas, corte em rodelas de aproximadamente 1 cm e em uma panela grande e rasa, ou frigideira com lateral mais alta, faça um camada com as rodelas de batata. Tempere com sal,  pimenta do reino e um fio de azeite. Em seguida, faça uma camada com rodelas do salsichão, acomode-os bem para cobrir todos os espaços. Depois, cubra com rodelas finas de tomate e por fim com rodelas de cebola. Tempere novamente com sal, pimenta do reino e um fio de azeite.

Coloque então o molho de tomate e a latinha de cerveja. Leve ao fogo baixo por aproximadamente 40 minutos, com a panela tampada. Deixe ferver bem. Para saber o ponto certo, basta espetar com um garfo uma batata e perceber que ela já está cozida. Nesse momento, desligue o fogo e cubra com as fatias de mussarela. Espere derreter o queijo e sirva em seguida! Para acompanhar basta um arroz branquinho!!

xx